Solenidade da Epifania – 06/01/2019

Epifania do Senhor

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

A solenidade da Epifania do Senhor ocupa lugar especial no Tempo do Natal, completando o quadro do nascimento de Jesus Cristo, com a presença dos magos do Oriente no presépio. Esta festa costuma ser denominada “festa dos Santos Reis”, mas a palavra grega “epifania” deve ser valorizada, pois tem um significado muito rico, podendo ser traduzida como “revelação” ou “manifestação”. Em Jesus Cristo nascido em Belém, Deus revela o seu amor e manifesta a sua salvação para todos. Cumpre-se, de modo admirável, a universalidade da salvação anunciada pelos profetas.  Por isso, ao rezar, hoje, o Salmo 71, dizemos: “As nações de toda a terra hão de adorar-vos, ó Senhor”, sentindo-nos participantes do novo Povo de Deus, formado por gente de todas as raças, línguas e nações que caminha ao encontro do Salvador nascido em Belém.

O relato do nascimento de Jesus, na noite do Natal, ressaltava a presença dos pastores que se estavam nas redondezas e que foram às pressas ao encontro de menino Jesus para adorá-lo. O Evangelho proclamado nesta solenidade destaca o amor de Deus revelado às nações, representadas por aqueles homens sábios, denominados magos, que vieram de longe para adorar Jesus e oferecer-lhe presentes. Na Carta aos Efésios, hoje meditada, São Paulo refere-se ao “mistério” revelado, explicando-o: “os pagãos são admitidos à mesma herança” (Ef 3,6) do povo da Aliança.

Seguindo o exemplo dos magos, nós também somos convidados a caminhar ao encontro do menino Jesus, neste tempo de Natal, com uma atitude de adoração. Eles “ajoelharam-se diante dele e o adoraram” e “sentiram uma alegria muito grande” (Mt 2,10-11).  O Natal é tempo de experimentar esta alegria que brota do encontro com Cristo. Para isso, é preciso dispor-se a caminhar, ao invés de ficar acomodado, especialmente, ao iniciar um novo ano. Contudo, não podemos caminhar contando somente com as próprias forças. A estrela serviu de sinal para os magos. Nós necessitamos da luz de Deus, da sua sabedoria e do seu amor para percorrer o caminho.

O relato do Evangelho cita o rei Herodes. Ele não se dispôs a caminhar ao encontro de Jesus; apenas fingiu querer adorá-lo. Em seu orgulho, ele não foi capaz de colocar-se entre os humildes pastores, nem entre os sábios estrangeiros, ambos menosprezados por muitos naquele tempo, para caminhar à manjedoura de Belém.

Na Epifania, o nosso amor fraterno deve se alargar, dirigindo-se aos que não são amados e aos que mais sofrem. O nosso mundo necessita de cristãos que sejam sinais do amor de Deus. Por isso, adoramos o Menino Deus que oferece a todos o seu amor e salvação, dispondo-nos a amar a todos como ele nos ensinou.

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text.

Start typing and press Enter to search